Treino no Calor: Desafios Crescentes em Meio às Ondas de Calor Extremas

Destacamos a importância de adotar práticas e estratégias inteligentes para garantir a segurança e bem-estar em dias de fervura planetária. Desde a escolha cuidadosa do vestuário até a adaptação de horários e cuidados médicos, sem deixar de informar sobre os desafios globais das mudanças climáticas.

2
603
Ilustração do Sol ao fundo, um parapente laranja sendo pilotado por uma mulher, e expressando as mudanças climáticas do calor expressivo.
Imagem criada por inteligência artificial.
“A era do aquecimento global terminou e começou a era da ebulição global.”
Profetizou o secretário-geral da ONU, Antônio Guterres em coletiva de impressa em julho do ano passado, momento em que a América do Norte, norte da Ásia, África e Europa enfrentavam o verão mais quente das suas vidas, e que tempinho depois enfrentaríamos o mesmo desafio. “Temos de transformar o ano de calor mais ardente em um ano de ambição ardente,” desejou.
De acordo com as projeções de especialistas, condições extremas como essas eram previstas para começarem a ocorrer somente em 2030, porém já se manifestaram na primavera de 2023. Testemunhamos recordes de calor extremo dia após dia. Em Cuiabá, segundo a VEJA, mais de 83 dias (até o momento) registraram temperaturas de 40 graus, com sensação térmica próxima aos 60. Os moradores agora consideram 38 graus um dia fresco, fenômeno que começou em agosto do ano passado, com os termômetros subindo mês a mês. A cidade recebeu um novo codinome, Cuiabrasa. Fazer atividades físicas ao ar livre por lá tornou-se humanamente impossível.
Aqui, em nossa região aparentemente modesta em termos de calor, suportar 32 graus consecutivos é suficiente para nos exaurir. Somos do Sul e não estamos acostumados com sensações térmicas acima de 40 graus, quiçá os moradores de Antonina e Morretes, que experimentaram vários dias na casa dos 50. O que era uma condição esporádica e pontual tornou-se semanal.
Treinar e/ou aguardar a condição de voo na rampa, ainda mais vestido para o sucesso, é um desafio que se tornou constante. Temperaturas que fritam o cérebro e também afetam todo o nosso organismo.
dicas para treinar no calor
Imagem criada por Inteligência Artificial Bing 12 de janeiro de 2024 às 8:20 PM
Tais efeitos negativos foram amplamente abordados pela mídia e autoridades em novembro, após a morte por exaustão térmica ocasionada pelo calor extremado (hemorragia pulmonar e três paradas cardiorrespiratórias) de uma jovem de 23 anos no show de Taylor Swift, no Rio de Janeiro, exatamente durante uma onda de calor extrema, a mesma que experimentamos em Jaraguá do Sul durante o Hik’n Fly Vale dos Encantos, uma semana antes. Um calor impiedoso para o tamanho da prova, mas que os organizadores e atletas concluíram com responsabilidade, cuidado, gana, sucesso, alegria e diversão.
Divulgar alertas sobre a reação do nosso organismo deixou de ser uma providência esporádica e tornou-se uma urgência constante. Reforça a reportagem da VEJA que aborda diversas frentes sobre os impactos negativos de toda essa fervura no planeta, mas que aqui queremos que se detenham nos cuidados com o organismo: “A letalidade das temperaturas excessivas é, na maior parte das vezes, indireta. Elas agravam doenças preexistentes; diabéticos, obesos, portadores de doenças respiratórias, renais e cardíacas são mais suscetíveis. No entanto, seus efeitos costumam ser negligenciados. Os primeiros sinais de risco à saúde são pele avermelhada, cansaço, tontura, náuseas e confusão mental. Em qualquer idade e condição, recomenda-se atenção redobrada sempre que a temperatura do ar supere a do corpo (cerca de 36,5 graus). A reação natural do organismo, nesse caso, é uma redistribuição do fluxo sanguíneo, transferindo o calor dos músculos para a pele, o que faz suar. Esse processo obriga o coração a trabalhar com mais força e rapidez, aumentando o risco para cardíacos. Como diminuição do volume de sangue ejetado durante os batimentos e aumento excessivo da frequência cardíaca para compensar a redução do volume por batimento. O cérebro, os rins e vários órgãos também sofrem com menos sangue e oxigênio. Se intensifica para irrigar não só músculo, mas pele, a ponto de gerar até mesmo lesão renal aguda. Se a temperatura corporal continuar subindo, a pessoa pode colapsar e morrer devido a danos cerebrais e falhas dos órgãos.”
Piloto de parapente treinando em uma terra arída, seca, com a terra de fundo representando o aquecimento global.
Imagem criada no BING – Inteligência Artificial. Por Vento Norte Paraglider.
No sistema respiratório acontece uma hiperventilação para ajudar a regular a temperatura corporal, o que leva à fadiga precoce.
“Ocorre reação generalizada. O corpo manda mais sangue para a pele tentando abaixar a temperatura, e isso tira sangue de órgãos fundamentais. Além disso, com o excesso de suor, o corpo perde água, sódio e outros minerais, o que leva à desidratação e potencial falência do rim”, alerta o cardiologista e médico do esporte Ricardo Contesini em uma entrevista para o site Metrópoles.
Em outras palavras, sentiu algum sintoma de mal-estar, o importante é interromper o que esta realizando para não levar o corpo a “overtraining”, e um dos melhores métodos para o resfriamento é hidratação com água gelada, ar fresco e sombra, orienta Matheus Vianna, personal trainer da equipe Nutrindo Ideais, para a revista SportLife.
Parapente laranja voando em vasto campo tonalizado pelo sol com as cores laranjas e verdes, representando um dia de muito calor.
Imagem criada pelo BING, pela Vento Norte Paraglider
Como escola de voo é fundamental colaborarmos para criar ambientes de treino e voos seguros, e portanto separamos outros pontos de atenção:

1. Horário do treino em dias quentes:

Evitar o calor extremo escolhendo as primeiras horas da manhã ou as últimas da tarde que oferecem temperaturas mais amenas e uma experiência mais agradável. A partir das 10h30 orientamos que paralise o treino, descanse, e só volte a treinar após às 16h00.
Além do mais, todo piloto sabe que o horário de maior aquecimento da superfície é o horário que todos devem ficar atentos em razão da instabilidade térmica. Pilotos iniciantes ou piloto nível I, devem evitar tais condições, tanto para treino quanto para voo.

2. Escute Seu Corpo:

Preste atenção aos sinais do seu corpo. Se sentir tontura, fraqueza ou sinais de exaustão pelo calor, pare imediatamente, busque sombra e reidrate-se, e jamais escolha decolar com o cérebro fritado de calor (tontura, fraqueza, exaustão).

No cérebro: há redução do fluxo sanguíneo cerebral, desembocando em piora dos desempenho físico e mental, afetando negativamente a atenção, o foco e a rapidez de raciocínio.

3. Antecipando situações extremas

Dias em que a pressão atmosférica é muito baixa e a umidade relativa muito alta, a probabilidade de formação de cumulosnimbus (formação de tempestade e eventos extremos) é alta. Quando verificar a previsão do tempo para realizar as análises pré voos, consulte o índice de CAPE, ele mede a quantidade de energia potencial do local disponível para convecção e pode ser acessado em aplicativos como o Windy. Utilize esse recurso para realizar o planejamento dos seus voos. O tempo nunca muda de repente, ele esta constantemente enviando avisos. Compreenda as “placas” do caminho.
Quanto maior o índice CAPE, maior será o desenvolvimento vertical das nuvens e consequentemente uma maior probabilidade de tempo severo, ou seja, chuvas e ventos fortes, com possibilidade de granizo e raios em algumas situações. A chuvas e ventos estão intimamente relacionados a energia potencial que a nuvem carrega em função da altura, quanto mais alta, mais ela pode acelerar, gerando fluxos extremamente velozes. Podemos dizer em outras palavras que o índice CAPE nos indica a instabilidade na região, ou seja uma maior ou menor disposição para gerar tempo severo.
Os valores de referência são:
  • Menor que 1000 = tempo estável ou pouco instável
  • Entre 1000 e 2500 = instabilidade moderada (já é possível encontrar CB quando o mesmo se aproxima dos 2000)
  • De 2500 a 4000 = instabilidade forte
  • Maior que 4000 = instabilidade extrema

4. Hidratação, Sempre:

A hidratação é a chave para enfrentar o calor. Certifique-se de beber água regularmente antes, durante e após o treino. Considere incluir bebidas esportivas para repor os eletrólitos perdidos com o suor.

5. Vista-se com Inteligência:

O que é válido para o inverno não se aplica ao calor quando se trata de escolher roupas inteligentes. Isso é algo crucial a se considerar.
Cores escuras absorvem mais calor, o que significa que elas irão manter o seu corpo aquecido por mais tempo. Isso é exatamente o oposto do que desejamos em dias quentes. No entanto, elas também oferecem uma proteção solar mais eficaz. Por outro lado, cores claras refletem o calor. Portanto, em dias escaldantes, opte por tons mais claros – quanto mais claro, melhor. Lide com a sujeira do mato e da terra com paciência, pois usar o branco no lugar do escuro é melhor para o seu organismo nesses dias. Acredite em nós.
Tecidos naturais e respiráveis também são aliados importantes. Algodão, seda e linho são os vencedores quando se trata de ventilação. Esses materiais auxiliam na evaporação do suor, mantendo o seu corpo mais fresco durante o treino.
E quanto à proteção UVA e UVB quando se trata de tecidos naturais, como algodão, linho e seda e ainda por cima claros?
Enfrentando duas ameaças reais – a temperatura do corpo em dias quentes – os tecidos naturais e claros são a escolha mais refrescante. No entanto, para proteger a pele dos danos causados pelo sol, a opção mais segura são os tecidos sintéticos inteligentes, e muitos deles são extremamente quentes e nada respiráveis.
(Obs: Não estamos ignorando a questão da indústria têxtil, uma das mais poluentes do planeta, que responde por algo entre 8% e 10% das emissões globais de gases-estufa, mais que a aviação e o transporte marítimo juntos, de acordo com a entrevista na Revista Valor Econômico. Fazer a escolha certa nas peças também deve se considerar a sustentabilidade.)
Os tecidos naturais possuem um FPU (Fator de Proteção Ultravioleta) baixo, quase nulo. (Claro, não estou considerando aqui tecidos grossos, que por si só fornecem proteção, mas sim de tecidos leves e finos). Os tecidos inteligentes leves foram criados e desenvolvidos justamente para fornecer proteção solar e reduzir a alta incidência de melanoma, um dos tipos mais agressivos de câncer de pele. Os tecidos sintéticos recebem fios à base de dióxido de titânio. No mercado, existem tecidos de algodão que recebem um tratamento químico, alcançando um FPU de 50, mas são mais difíceis de encontrar, especialmente se priorizar a sustentabilidade na busca. O desafio para a indústria é enorme, e as pesquisas visam alcançar qualidade com menor impacto ambiental em todo o ciclo de vida das peças.
Agora, você compreende o motivo de se sentir como se estivesse cozinhando em uma camiseta sintética com proteção UVA e UVB. Isso ocorre porque ela proporciona uma eficaz defesa contra os danos do sol, mas nem sempre oferece conforto, ventilação, a menos que se opte por tecidos com tecnologia adicional. Um exemplo notável de tecnologia adicional é a blusa da SOL Paragliders, disponível aqui na escola, que se destacou nas vendas e tornou-se a preferida no verão de todos que a possuem.
Foto de uma mulher vestindo uma blusa cinza clara de manga longa.
Produzida com tecido Flex Power, que contem DRY, proteção UVA e UVB e Silpure. O DRY tem por objetivo manter nossa pele seca, pois ele expele o suor. O Silpure é tecnologia de íons de prata, que limita o crescimento das bactérias, reduzindo os odores da transpiração. Tecido de Poliamida e Elastano.
Peças como essas devem ser lavadas a mão, não utilizar amaciantes e a secagem deve ser realizada na sombra.

6. Proteja-se do Sol de todas as formas:

Aplique protetor solar generosamente em todas as áreas. Reponha sempre, pelo menos mais uma vez por volta do horário do almoço, quando suar demasiadamente, e ainda mais uma vez por volta das 16h00.
Use bonés ou chapéus quando não estiver com o capacete treinando. Opte pelos acessórios que cobre orelhas e pescoço.
Fique na sombra nos intervalos do treino e evite a insolação.
Preste atenção ao vencimento do protetor solar.

7. Adapte a Intensidade:

Reduza a intensidade dos treinos nos dias mais quentes. Isso evita o risco de superaquecimento e exaustão, permitindo que você desfrute do treino de forma mais confortável.

8. Intervalos e Sombras:

Faça pausas regulares para descanso e reidratação, na sombra. Descansar sob o sol escaldante não dá certo.

9. Refrescar:

Se estiver na praia, dê um mergulho. A água oferece uma sensação refrescante.

10. Condições Médicas:

Esteja ciente de qualquer condição médica que possa ser afetada pelo calor. Consulte um profissional de saúde se tiver dúvidas e adapte seu treino conforme necessário.

11. Planejamento Inteligente:

Garanta que tenha acesso a recursos essenciais durante toda a prática. Isto é água na mochila, protetor solar na pochete e sombra por perto.

12. Cuidado com os equipamentos e eletrônicos.

Não deixe os equipamentos expostos ao sol ou ao calor, como dentro do carro em dias infernais ou ao sol. O calor e o sol são extremamente prejudiciais para os equipamentos.
Parapente laranja com o sol no fundo, um rio laranja, todos dentro de uma esfera de fogo.
Imagem criada pela inteligência artificial BING, pela Vento Norte.

Lembre sempre que a segurança vem em primeiro lugar. Adaptar-se às condições climáticas garantirá não apenas um treino eficaz, mas também uma experiência enriquecedora nos céus.

 

Ações governamentais e da sociedade para conter o aquecimento global não são mais uma opção. São uma imposição. Reforça o climatologista José Marengo na Veja.

O que fazemos para contribuir no combate das mudanças climáticas:

  • Plantamos Árvores

Em casa além de possuirmos mais de 14 árvores plantadas por nós, na escola mantemos 4 frutíferas e já plantamos mais duas.

Plantar árvores é uma tarefa global para deter a degradação das terras e oceanos, proteger a biodiversidade, e reconstruir ecossistemas.

  • Optamos por fornecedores com preocupações ambientais, sociais, locais e artísticos.

Atualmente as peças que estarão sendo produzidas para a marca da escola são fabricadas pela NOS ALPES, empresa que possui preocupação ambiental, fabricação de forma sustentável e economia circular. Despertam o consumo consciente, apoiam causas de conservação da natureza, plantio de árvores e inclusão social.

Mantemos em nosso portfólio de parapentes a SOL Paragliders, uma das empresas que mais nos orgulhamos. Brasileira, com preocupação ambiental e social.

Artistas da montanha e do voo livre.

Luisa Mazarotto é montanhista e ilustradora que assina as novas estampas da Vento Norte Paraglider.

Arthur Lewis é piloto de parapente, um dos pioneiros, e é o fabricante dos pingentes de voo livre. Economia circular. Pingentes que nascem de materiais reutilizados.

  • Ecossistemas

Mantemos uma área de Mata nativa de 3 mil metros quadrados no Morro da Palha em Campo Largo.

Outras ações da escola e pessoal que adotamos no nosso cotidiano:

  • Compostagem domiciliar;
  • Controle do consumo de alimentos de origem animal;
  • Separação do lixo;
  • Redução dos plásticos. Aqui queremos pontuar um desafio que tivemos. A escola ainda possui copos descartáveis para a água, isso porque antigamente comprávamos por fardo, o que diminuía o custo, assim como as sacolas eram confeccionadas por milheiro, e as sacolas de plástico médias ainda resta 50 unidades, todos os demais já foram substituída, e são zero plástico. Obviamente que jogar os itens de plástico no “lixo” é apenas tirar da vista. O que escolhemos fazer é a transição. A medida que itens como esses acabam, são repostos por materiais sustentáveis, esse processo é chamado de tempo da transição, uma dica para o caso de você também ainda ter em estoque insumos com plástico ou nocivos;
  • Cultivo de abelhas;
  • Apoiamos eventos, organizações e iniciativas que buscam disseminar informações e debates de qualidade e relevância referente as urgências ambientais ou sociais do mundo.
  • https://blog.voeventonorte.com.br/mata-atlantica-ecofestival-valorizacao-da-natureza/
  • https://blog.voeventonorte.com.br/hacka-clima-cinemateca-no-mata-atlantica-eco-festival/

 

O que mais podemos fazer?

Muitas e muitas outras coisas:
  • Incentivar que nossos pilotos e alunos passem a ir para os treinos e locais de voo de carona;
  • Incentivar que acampem no Cal, evitando assim ir e voltar quando será sábado e domingo de treino por lá, reduzindo a pegada de carbono;
  • Disponibilizar ônibus de viagem para barcas de voo, evitando a emissão de poluentes de pelo menos 30 veículos.
  • Indicar conteúdos sobre o tema;
Indicamos fortemente o documentário Rompendo Barreiras, disponível no Netflix. É uma abordagem bastante educativa, científica e clara sobre a importância da década em que estamos. O documentário foi lançado em 2021, no momento em que se projetavam que as mudanças mais extremas começariam a ocorrer somente em 2030. Como a mudança chegou antes do previsto, acreditamos mais ainda na relevância desse documentário.

 

Como o mundo esta lidando com as mudanças climáticas e condições extremas:

A China conseguiu reduzir em 40% a quantidade de partículas nocivas no ar de 2013 a 2020. Embora ainda dependa grandemente do carvão, ano após ano vem reduzindo expressivamente esses números. Mas é necessário acelerar essa transição de energia.

A Comissão Europeia está implementando padrões mais rígidos e graduais para a mitigação de CO2. 45% de redução de emissões; 65% a partir de 2035; 90% a partir de 2040.

EUA assumiu o compromisso de reduzir em até 50% suas emissões até 2030.

Diversos países estão aumentando os valores de pedágio em busca de impulsionar “caronas” e o uso de transporte público, como anunciado na COP28, recém-encerrada que ocorreu em Dubai, além de reforçarem a urgência da implementação mais eficiente de alternativa para os combustíveis fósseis, que representam cerca de 87% das emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) e são os maiores vilões do aquecimento global.

O bloco econômico Europeu pretende acelerar a implantação de infraestrutura de recarga e reabastecimento com foco na neutralidade de carbono, visando poluição zero da UE.

ODS 13 reconhece a necessidade de cooperação internacional para enfrentar as mudanças climáticas, visto que seus impactos ultrapassam fronteiras nacionais.

Confira os demais propósitos da ODS 13.

ODS 13 Ação Contra a Mudança Global do Clima estabelecido pela ONU 

Tem como objetivo tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e seus impactos.

Os principais objetivos da ODS 13 incluem:

  1. Fortalecer a Resiliência e a Adaptação às Mudanças Climáticas: Busca-se promover a capacidade de adaptação e a resiliência a eventos climáticos extremos, bem como a construção de sistemas mais robustos para enfrentar os impactos das mudanças climáticas.
  2. Integrar Medidas sobre Mudanças Climáticas nos Políticas, Estratégias e Planejamentos Nacionais: A ideia é integrar considerações climáticas em políticas e planejamentos nacionais para garantir uma abordagem holística na luta contra as mudanças climáticas.
  3. Melhorar a Educação, Sensibilização e Capacidade Humana e Institucional em Relação às Mudanças Climáticas: Promover a conscientização e a compreensão das mudanças climáticas, seus impactos e a necessidade de ação é fundamental para alcançar os objetivos desta ODS.
  4. Implementar o Compromisso da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima: Isso envolve a promoção da implementação eficaz das disposições da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

2 COMENTÁRIOS

  1. sempre uma reflexão pertinente…
    aqui em minas passamos por alguns dias enfurnados em casa devido ao calor!
    realmente foram dias dificeis porque quando a temperatura ultrapassa nossa própria temperatura corporal ou seja acima do 37 graus paramos de trocar calor… foram dias dificeis!
    obrigado por compartilhar

    • Verdade Hemerson! Para nós 30 graus é muito desafiador e exaustivo. Não conseguimos nos imaginar suportando temperaturas acima dos 35! Ainda mais que por aqui não temos ar condicionado e sim aquecedor. kkkk
      Um grande abraço em você, inclusive de Feliz Novo Ano. Que seja um ano de muitos êxitos, saúde e afetos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui