A intensa aridez do norte do Chile, também chamado de Grande Norte, é uma face cruel da natureza inóspita e que faz do Grande Atacama um dos lugares mais únicos do planeta, não por menos que choca e beira quase um demérito, porém ao percorrer sua vastidão se torna magicamente uma qualidade invulgar.

norte_do_chile

Gigante são seus geoglifos, os Cerros Pintados.

Desafia nossa compreensão de como foram criar desenhos nos topos de encostas, tão distantes das costas e tão no centro do nada, repleto de energias ancestrais de tempos imemoriais.
geoglifo Chile
Cerro Pintados. Terráqueos tentando entender os geoglifo do Deserto do Atacama. (Brincadeiras a parte, estavam contemplando).
Gigante são seus desafios, a sua gente, são seus ensinamentos! Gigante é seu nada que é tudo, repleto de histórias e onde a vida sempre dá um jeito de prosseguir e se revela no grande Pampa del Tamarugal recordando que é de fato possível fincar raízes que penetram rochas e pedras até as entranhas da terra por 8 metros, segurando galhos que produzem folhas, flores e frutos no solo mais cruel do planeta azulzinho.
Tamarugo
Prosopis tamarugo, uma árvore que só pode ser encontrada no Grande Atacama.
Deserto que o silêncio que nos convida a fazer um barulho mental positivo. Deserto que nos prega a miragem de céu, terra e mar como uma coisa só e movimenta-se histericamente com seus incontáveis dust devil (diablito), levantam a aridez para o infinito, como que para relembrar sobre os perigos do ar e por quê não também da mente que por ali existem.
Aldeia de Colchane, próximo a fronteira de Bolívia.
Onde voamos silenciosos e cautelosos mediante a amplitude das suas dunas de areias e da imensidão do mar. Que ventos gelados de correntes polares nos elevam em nossas frágeis asas de panos para contemplar o mais belo ocultar de sol e revelar da noite no rico oceano pacífico. Desafiamos suas térmicas e encostas arenosas e rochosas, para depois repousar as asas nas tranquilas e organizadas areias da beira mar da Praia de Cavancha.
As grandes dunas de Palo Buque.
Onde a natureza revela sua beleza metros sim, quilômetros não. Onde entende-se a importância de um oásis exatamente no local necessário, o que é banhar-se em águas termais, o que é o sono dos vulcões e cantar para que continue dormindo, com seus cumes cobertos de neves e que trazem vida para a região através de riachos formados de degelo que abastecem as cidades desse grande deserto e que deixam nossa alma farta e fértil de bons sentimentos com o desfrute e deleite de inspiradoras paisagens.
Parque Nacional Vulcão Isluga
Terra que nos sacudiu (terremoto de 5.6) de nossos sonos no primeiro instante, a exibir que respira e conspira, que nos ensinou a caminhar devagar nos seus quatro mil metros de altura, quase 5!
Aldeia praticamente inabitada. Parque Nacional Vulcão Isluga.
Que nos ensinou a tomar fôlego para prosseguir uma boa risada, no ra – ra – ra -rarararara. Que nos fez chorar e se emocionar ao sentar em uma mesa aos pés do Vulcão para tomar uma sopa e um chá com uma família, cujo local vivem apenas 23 pessoas em um raio de 200 km de distância, lembrando que quanto mais simples é o templo, mais nobre é o exemplo.
Casas no coração do Deserto.
Aprendemos a cozinhar ovos nas águas vulcânicas e explosivas dos Gêiseres de Puschitana. O jargão mundial de que Deus ajuda quem cedo madrugada, é regra para o desfrute do fenômeno.
Geiseres de Puchuldiza
A terra que proporciona ao mundo o mais límpido céu noturno, e que nobremente e simplesmente nos proporcionou o melhor luar e churrasco de nossas vidas, e harmonicamente nosso querido amigo e cantor oficial, André Rosa dedilhou no violão músicas perfeitas para todo o contexto. O que vimos, o que sentimos, não dá para acreditar!
Salar de Huasco
Um lugar que sua gente conquista com a simplicidade de uma frase sorrindo; Hola, que tal? E assim abre-se a vontade de compartilhar uma bem-humorada conversa no cômico, porém eficiente portunhol. Essa gente que não esquece da história, da bandeira e das batalhas. É gente que trabalha nas mineradoras, na zona franca e arduamente no mar para garantir alimento para a região.
Iquique, Península de Cavancha, Pelicanos.
Uma terra que nos presenteou com o amigo Daniel, que iluminou, cuidou, instruiu, compartilhou tudo o que poderia e mais um pouco e que seguimos bons amigos, que se nossa sabedoria permitir levaremos para todo o sempre. Ofereceu generosidade, bondade, serenidade e companhia em todas as nossas descobertas, desde o momento em que abríamos os olhos pela manhã ao momento que o sol se apagava e a madrugada chegava.
Não falta brincadeira também.
Que nos contou sobre o passado social de Tarapaca, e nos mostrou a história mais atroz da região que ninguém quer recordar, massacre de Santa Maria: Luchemos por lo que es nuestro, de nadie más há de ser.
Humberstone – Cidade Fantasma – Salitreiras – Homenagem aos caídos pelo Massacre de Santa Maria de Iquique
Que greve ali é levada a sério! Nós que o digamos! Terra que nos fez percorrer de ônibus o Atacama madrugada adentro até um aeroporto que não estivesse em greve, para podermos voltar para casa. 6 horas de estrada! Salgamos os pés, mas adoçamos a vida. E assim quando Mon Laferte apareceu nos noticiários mundiais com sua música Plata ta ta tá, que salgan, que salgan, que luchen, que luchen. Vamos a hacer que el mundo lo escuche. Posso dizer que não apenas te ouvimos, como também te sentimos Chile.
Um pedaço de qualquer lugar. Não tenho a menor ideia de onde estávamos localizados no mapa. Se no Chile ou na Bolívia.
Uma aventura, sem sombra de dúvidas, inesquecível. Gravada na alma para todo o sempre.
Findo a expedição, só nos resta ser sábios para tentar absorver tanta intensidade e grandiosidade compartilhada com pessoas que são para lá de especiais e praticando um esporte igualmente intenso. Ana Tijoux canta, Una vida sin locura no es vida, es um pedazo, um redaso el murmullo.
Transcendental e místico.
Uma harmonia inalterável, inabalável de um grupo que magistralmente se complementou e a qual agradecemos cada momento no ar, na terra, na água, cada refeição compartilhada, cada louça lavada, cebola cortada, batata descascada escutando uma musiquinha boa (la misma vaca, la vaca sagrada, rs), a cada brinde aos amigos, aos amores e aos voos.
Nas incontáveis cervejas e vinhos abertos, no tim-tim da vida, entre um café e outro, uma caminhada, um pouso, um espaço na sacada ao som das zangadas ondas a se quebrar, nos apertos “felicianos” do Saulo nos bichinhos, na conversa fiada, na risada alta e o xchiu para falar baixo e não arrastar tanto as pesadas cadeiras depois das 23 horas, no esmago de um resgate e outro, que entre parapentes e pessoas ouve-se um ronco de alguém literalmente rendido pelo cansaço de tanta coisa vivida em um dia, e as conversas expansivas e filosóficas que enriqueceram a alma e garantiram a beleza de cada passo dessa jornada, mesmo no intenso perrengue de praticamente 3 dias que a greve nos lançou.
Laguna Arabilla
Foi de longe IRADO, único e singular.
A grande chilena Violetta Parra já sabia! Gracias a la vida que me há dado tanto, me há dado la marcha de mis pies cansados, com ellos anduve ciudades y charcos, playas y desiertos, montanas y llanos.
Flamingos Norte do Deserto do Atacama
Tejada Gomes também sabia! Por eso muchacho no partas ahora sonando el regresso, que el amor es simple y a las cosas simples las devora el tiempo.
E o grandioso chileno Pablo Neruda ensinou: Si nada nos salva de la muerte, al menos que el amor nos salve de la vida.
E assim com o coração rendido dizemos: Muchas Gracias Atacama! Muchas Gracias Hermanos(as) y amigos(as)! Hasta luego! Salud y vida!

Já nostálgicos de tantas lindas recordações gravadas na alma, podemos dizer, não somos mais os mesmos que partiram.

Próxima expedição: 16/04/2020 a 27/04/2020.

Adorei, quero fazer parte dessa trip!

Texto: Nicolle Muraro de Araújo

Outras informações sobre a Expedição do Atacama:

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui